Como a cannabis está ajudando pessoas com estilo de vida ativo?

Por Fernando Paternostro (@atleta.cannabis)

 

Cannabis e Esporte

Treinamento de ciclismo (Foto: Fernando Paternostro. Arquivo pessoal)

Quem lê rápido não consegue entender. A primeira vista, cannabis não tem nada a ver com o esporte, afinal fumar maconha sempre teve aquele estigma do pessoal preguiçoso, que não quer saber de nada; e sem falar que fumar não tem a ver com exercício físico. Pois é, em pleno 2020, taí mais um fato que vai virar sua cabeça do avesso.

A cannabis está se tornando uma das principais aliadas do esporte, e não está sendo consumida da maneira tradicional, fumando. A verdadeira revolução está no óleo do cannabidiol, nos tratamentos com CBD e THC; no uso de pomadas tópicas, em gel e emplastos que não só resolvem o problema como também ajudam a diminuir a crise mundial de opióides que ataca milhões de pessoas pelo mundo.

A alternativa de usar tratamentos com cannabis é um alívio para os atletas que estão sentindo dor muito depois do fim dos dias de jogo. Os opióides prescritos são atualmente a principal opção de tratamento para o controle da dor em atletas. Os medicamentos à base de opióides provaram ser ineficazes quando se trata de dor crônica de longa duração e apresentam sérios riscos de longo prazo que incluem o agravamento da dor, vício, abstinência e overdoses fatais.

 

Kya Mesquita e Isa Gil: Por que a Cannabis foi proibida?

 

Em um estudo encomendado pela ESPN, uma das principais descobertas revelou que 52% dos jogadores aposentados usaram analgésicos prescritos durante suas carreiras, com 71% desses jogadores admitindo que usaram indevidamente as drogas durante os dias de jogo.

“Essa dor nunca vai embora. Meu corpo está problemático” disse Eugene Monroe, ex-Baltimore Ravens. Monroe, desde então, obteve sucesso no tratamento de sua dor com cannabis. “Eu tenho que administrar isso de alguma forma. Administrar isso com comprimidos estava me matando lentamente. Agora sou capaz de funcionar e ser extremamente eficiente descobrindo como usar diferentes formulações de cannabis.”

E não são apenas os atletas profissionais que procuram métodos de recuperação mais seguros e eficazes. Qualquer atleta ou pessoa com um estilo de vida ativo pode se beneficiar com esses tipos de alternativas de tratamento. Independentemente do tipo de atividade, a cannabis pode ajudar atletas e pessoas ativas (guerreiros de fim de semana, ciclistas, caminhantes ávidos, entusiastas de ioga) a se proteger e se recuperar de uma variedade de lesões.

 

Cannabis e Esporte

Treinamento de natação (Foto: Fernando Paternostro. Arquivo pessoal)

A grande mudança de paradigma está na maneira como olhamos para dentro de nós mesmos. A cannabis está ganhando muito espaço hoje em dia porque nós, como sociedade, estamos começando a entender o que nosso corpo realmente precisa. Um grande amigo comentou comigo essa semana:

“A diferença entre um remédio e uma droga, é a quantidade que você vai tomar dessa substância.”

E aproveito para complementar: quando trazemos a cannabis para uma melhora generalizada da nossa qualidade de vida, enxergamos que não precisamos de drogas farmacológicas para nos mantermos vivos. Precisamos sim, de uma alimentação saudável, de exercício físico constante, de família e amigos que nos apoiem e criem esse laço de amor e confiança.

E, claro, quando aquela dorzinha aparecer, vamos tratar da melhor forma com uma planta milenar, que vem ganhando espaço mostrando resultado e parceria com o ser humano. A cannabis nos mostra que o esporte é mais um aliado nessa mudança global de ponto de vista.

 

Ouça o Podcast Maconhômetro #8: Cannabis no Esporte

 

Cannabis e Esporte

Atleta Cannabis (Foto: Fernando Paternostro. Arquivo pessoal)

 

Fernando Paternostro é empresário, 40 anos, fundador da E2 Ventures em São Paulo e do Nostro Studio em Barcelona na Espanha. É triatleta amador e criador do canal @Atleta.Cannabis no Instagram

Logo Cannabis Monitor

Receba nossa newsletter

semanalmente no seu e-mail com as principais notícias e novidades do Cannabis Monitor.

Obrigado!