Por Fernando Paternostro (@atleta.cannabis)

 

atleta cannabis

Fernando Paternostro em competição de Triatlon – Foto: Arquivo Pessoal

 

Gostaria de começar esse papo dizendo que fico muito feliz em ter um espaço para poder compartilhar o que penso. Especialmente porque, desde que comecei o projeto do Atleta Cannabis no IG, comecei a me relacionar com os mais diferentes tipos de pessoas entre atletas, profissionais de saúde como médicos, preparadores físicos, treinadores e empresários do setor com suas marcas de CBD voltadas para esporte, qualidade de vida e bem-estar.

Essa relação me trouxe uma confirmação muito forte em relação ao mercado: precisamos conversar mais sobre a utilização da cannabis para a qualidade de vida e o bem-estar. O esporte é, ao meu ver, um caminho muito seguro para podermos começar a traçar esse diálogo. Digo seguro porque vamos criar ambientes controlados com médicos, preparadores físicos, exames e análises para primeiro traçar métricas e criar protocolos em função de observações da performance de atletas que estejam passando pelo tratamento. E dessa observação vamos poder traçar estratégias para que isso possa ser compartilhado com cada vez mais pessoas. Utilizar a cannabis para recuperação e também para maximizar a performance é algo novo, que estamos criando juntos e utilizando de profissionais dedicados e instruídos.

Com a utilização da tecnologia, fizemos a análise do material genético dos atletas do estudo inicial, e pudemos nos apoiar no resultado desse teste genético para traçar uma estratégia assertiva e pontual. Nesse caso, o teste nos permitiu definir maneiras de trabalhar com os fitocanabinóides do ponto de vista da maximização do esforço físico, gerando aumento de força, maior velocidade na recuperação muscular, além de claridade e foco durante os treinos.

 

Ouça o Podcast Maconhômetro #8: Cannabis no Esporte

 

É um trabalho que estamos construindo, e que fico muito contente de poder continuar compartilhando os resultados com vocês. Mais importante que isso, é poder começar o diálogo sobre como a Cannabis pode impactar de forma positiva pessoas que não possuem alguma doença terminal, patologia ou mesmo que procuram como última opção de tratamento. A cannabis dentro da medicina preditiva, de forma a regular o sistema hormonal do organismo, causando um bem-estar generalizado no indivíduo, e consequentemente uma melhora psicológica constante com a diminuição de ansiedade, melhora na qualidade do sono entre outros tantos benefícios pode ser um caminho ainda novo; e com certeza muito interessante.

Nessa linha conversei com o Fábio Furtado, um amigo, empresário do setor da Cannabis e atleta dedicado. Quis compartilhar com vocês essa conversa porque o Fábio é do setor, leva uma vida saudável e com esforço físico elevado e tem exposição ao mercado internacional. Essa visão internacional é crucial para trazer uma visão global sobre o assunto da cannabis dentro do esporte para o Brasil. Sendo assim vou transcrever um pouco do papo que tivemos pra vocês abaixo:

Fernando Paternostro: Você pode contar um pouco sobre você, seu trabalho e vida pessoal?

Fábio Furtado: Olá, meu nome é Fábio Furtado. Sou sócio e diretor comercial da GreenCare, uma das mais importantes empresas especializadas em produtos à base de canabinoides no Brasil. A GreenCare é uma empresa bastante inovadora, pois foi a primeira empresa do segmento a adotar um posicionamento similar ao da indústria farmacêutica, focado na educação médica baseada em evidências científicas e conteúdos com foco em estudos e pesquisas clínicas de primeira linha, reconhecidas globalmente. Desta forma, nosso trabalho consiste em educar e oferecer a melhor informação aos médicos brasileiros sobre os benefícios dos tratamentos à base de canabinoides. Hoje somos, sem dúvida, a empresa que mais se relaciona com a classe médica no segmento da Cannabis Medicinal.

 

atleta cannabis

Fábio Furtado, Diretor comercial da GreenCare. Foto: Arquivo Pessoal

 

Fernando Paternostro: Qual a relação que você vê entre o esporte e a cannabis? 

Fábio Furtado: A relação entre esporte e cannabis vem se desenvolvendo de forma muito consistente e muito rápida. Na medida em que estudos importantes passaram a ser divulgados sobre benefícios totalmente aplicáveis às demandas de um atleta, essa relação se intensificou e vem crescendo. Temos uma procura considerável na GreenCare de pacientes que são atletas amadores e profissionais. E são vários os esportes em que atletas importantes vêm revelando abertamente o uso dos canabinoides em seus tratamentos de lesão, ansiedade, entre outros.

FP: Qual a importância do dia 15 de janeiro nesta relação entre cannabis e esportes?

FF: No Brasil, no dia 15 de janeiro é celebrado o “Dia do Jogo Limpo”, data que tem como objetivo a conscientização para o sério problema do doping no esporte. Entretanto, em abril do ano passado, a WADA (World Anti-Dopping Agency), tirou o CBD da lista de substâncias proibidas/controladas. A agência é a responsável pelas regras adotadas em competições internacionais como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Portanto, será a primeira vez na história que iremos celebrar o “Dia do Jogo Limpo” estando o CBD livre de punições. Vale destacar, no entanto, que o CBD é o único canabinoide permitido. Por isso, os atletas devem prestar a atenção no grau de pureza e qualidade do seu produto.

 FP: O manejo e controle da dor é ainda a principal causa de atletas buscarem os tratamentos com o CBD?

FF: Sim, sem dúvida. A dor causada pela prática de exercícios físicos é uma resposta do nosso sistema imunológico, que gera um processo inflamatório para regeneração do tecido. Por outro lado, dores constantes podem prejudicar o desempenho nos treinos e competições. Dessa forma, pesquisas mostraram que o CBD é capaz de melhorar este processo, porque é capaz de se ligar às células do nosso sistema imunológico, ativando a liberação de citocinas anti-inflamatórias, diminuindo o estresse oxidativo. Isso ajuda na preservação da musculatura e ameniza a dor causada pela prática de exercícios físicos intensos. E o mais importante: sem os efeitos colaterais dos analgésicos e anti-inflamatórios tradicionais amplamente utilizados.

 

Laila Maria: A legalização silenciosa e a elitização da cannabis medicinal no Brasil

 

FP: Como você vê a questão da Cannabis sendo utilizada para melhora da qualidade de vida e do bem-estar? 

FF: Este também é um aspecto muito importante. Estudos indicam que o CBD pode ter bastante eficácia no tratamento de diversos transtornos, entre eles a ansiedade e a depressão. Com o bem-estar psíquico, melhora-se também o nosso sistema imunológico, o que deixa a lista de benefícios indiretos bastante extensa. Além disso, o canabidiol vem sendo utilizado na indústria cosmética e dermocosmética. Há também algumas linhas de alimentos extraídos do cânhamo, com altíssimo teor de proteínas e fibras, o que os deixa como uma excelente opção de alimentação saudável para o dia a dia e também para públicos mais específicos como atletas e veganos. Neste contexto, vamos observando que a cannabis pode ser a matéria prima de uma enorme linha de produtos com uma abordagem de saúde integral. 

FP: Além do óleo de cannabis, o que mais é possível utilizar dentro do esporte como produto para auxiliar o atleta?

FF: A aplicação tópica de CBD para alívio das dores musculares e àquelas advindas de inflamações nas articulações está cada vez mais comum, já que o canabidiol é absorvido rapidamente, tendo ação local, sem direcionamento para a corrente sanguínea. Em resposta aos exercícios físicos, o canabidiol exerce papel anti-inflamatório por agir nas células do sistema imune, diminuindo a liberação de citocinas pró inflamatórias e espécies reativas de oxigênio, ativando, então, a liberação de citocinas anti-inflamatórias. Esta ação é extremamente importante pois, geralmente, treinamentos de resistência, de alta intensidade ou duração prolongada estimulam a produção de radicais livres, resultando em estresse oxidativo, o que gera uma resposta inflamatória para proteção dos tecidos. Portanto, o que os estudos indicaram é que a maior disponibilidade de antioxidante pode atrasar o tempo para fadiga e promover a recuperação muscular que, potencialmente, melhora o desempenho e diminui o risco de doença ou lesão.

 

Fernando Paternostro é empresário, 40 anos, fundador da E2 Ventures em São Paulo e do Nostro Studio em Barcelona na Espanha. É triatleta amador e criador do canal @atleta.cannabis no Instagram.

 

 

Logo Cannabis Monitor

Receba nossa newsletter

semanalmente no seu e-mail com as principais notícias e novidades do Cannabis Monitor.

Obrigado!